A Música

with Nenhum comentário

Cheguei meio cansada no prédio. Era meu primeiro dia de aula de Contrabaixo acústico.

Na portaria, entre tantos crachás e rostos, difícil foi encontrar o meu. Nessa confusão vi a foto de uma criança, inscrita na aula de flauta doce. Sua feição que era doce.

Achou! Era o meu crachá! Contente, subi a rampa, depois de muita explicação, “sobe a rampa, vira a direita, sobe a escada e entra em uma porta de vidro…”. Subi e encontrei o silêncio. Era uma enorme biblioteca. E logo em seguida um busto, na frente de uma parede branca. Não sei de quem. Estava ansiosa e não parei para ver.

Lá estava ela. A porta de vidro. Abri com cuidado, inúmeros sons vieram em minha direção, um corredor com inúmeras portas estava na minha frente, e dentro de cada uma delas a música estava presente. A primeira porta estava o balé. Muitas meninas e um menino dançavam no mesmo ritmo, enquanto o professor buscava toalhas para secar o suor de tanto esforço. Logo em seguida, várias salas, cada um com um número. Me pareceu uma sala de treino. Que estavam cheias de gente esforçada que por tanta expressão mostravam o quanto acreditam na música. Enquanto olhava perplexa e ainda procurando minha sala, passa uma mulher correndo com um violino na mão. Perguntei onde ficava a sala do professor de contrabaixo acústico, ela me respondeu ainda correndo. O final da frase já estava looonge. Ela havia entrado em uma sala no fim do corredor, nomeada “SALA DA ORQUESTRA”.

Fui chegando mais perto, e mais perto de mim chegava o som. Em uníssono estava a orquestra.O som do piano, do violino, do violoncelo, do contrabaixo acústico embalavam uma música de autoria do Mozart.Não me pergunte qual música do Mozart. Estou conhecendo agora a música erudita.

Sei que olhei pelo vidro da porta, enquanto olhava atenta, me emocionava cada vez que a música se tornava mais rápida, forte, como se fizesse parte de mim todo aquele som. Então, alguém abriu a porta atrás de mim, e disse: “Mariamma?, aqui é a sala de Contrabaixo acústico, bem vinda.”

E entrei para o mundo da música clássica.

Deixe uma resposta