seo agency

DESORDENS DO PROGRESSO

with Nenhum comentário

Quando não tínhamos nada?


Melquiades tinha “abrobão”, um Ford Belina super inteiro, cor amarela e movido a gás, 1974. Daí o seu nome num aumentativo bem regionalizado. Na frente, Abrobão tinha somente a cadeira do motorista e das suas duas portas apenas uma era usada. Na parte de trás uma poltrona larga levava os companheiros. Esse carro era o mais amigo e mais conhecido da turma, apesar de outros companheiros depois terem outros veículos:

Adson tinha um fusquinha muito bom.

Zezinho tinha um opala, que não era dele, mas da familia; depois uma Belina moderna possibilitou muitas articulações políticas e campanhas eleitorais.

Iracy também tinha um fusquinha, mais desgastado que o de Adson, mas andava bem.

Saturnino nunca teve um carro.

Otavino andava de bicicleta e Manoel Alexandrino andava a pé sem nenhuma tristeza.

Zé augusto tinha um Fiat 147 que servia a muitos companheiros.

Batista também teve um fusquinha legal.

Anselmo tinha um Chevette antigo que ajudava e muito a todos nós.

Joel andava com um carro que ajudava a carregar os móveis da marcenaria de suas familia.

Já Melksedeque não, este andava em sua cadeira de rodas, animado como sempre, a deslizar pela cidade.

Minel, Levi, Ivonete, Michelena e muitos de nós nos virávamos para acompanhar o movimento.

Tínhamos todos, um sonho: mudar o mundo.

No mínimo sonhávamos em realizar mudanças estruturais que mostrasse a todos que estávamos no caminho certo, rumo ao socialismo.

Um dia a brincadeira acabou, o espelho se partiu e, cada um foi em busca de outras necessidades que não as suas formas de se (loco)moverem. E nessa dispersão, cada um esqueceu como era cada um.

Abrobão era um bom exemplo de prática socialista e somente quem conhece a trajetória histórica do seu serviço à boa causa de todos nós, compreenderá essa mensagem.

Dirigimos muito abrobão. Mais que isso, ele nos ensinou muito, assim como aprendemos entre nós a dirigir a vida e alguns dos seus desafios, até perdermos a carteira de bons motoristas e de bons sonhadores.

Deixe uma resposta