Agora é só esperar mais um ano para a Campus-Party 2010!

with Nenhum comentário

Nós não poderíamos deixar de dizer algo sobre o fim do evento!

Sábado, dia 24/01/2009, Centro de Exposições Imigrante, São Paulo. É o dia do encerramento da Campus-Party Brasil 2009. E tudo aconteceu em alto estilo: uma mistura de tecnologia e cultura regional – uma verdadeira festa!

Não vamos nem falar sobre todas as palestras que aconteceram durante o dia, vamos falar sobre a cerimônia de encerramento do evento.

Foi apresentado o CP-01, o primeiro protótipo do “The Open Robot Project“, um projeto que se propõe a desenvolver um robô totalmente livre (projeto elétrico, mecânico e computacional). O robô foi montado em tempo recorde, uma semana apenas, e agradou a todos os presentes apresentando a sua capacidade de ler e reconhecer faces. Claro, é apenas o embrião de um projeto muito maior, mas mesmo assim já é um grande salto para a robótica colaborativa. O mais interessante é que todos os interessados podem ajudar, não importa em qual local do mundo eles estejam.

O Sarau Digital trouxe shows muito interessantes. O primeiro a se apresentar foi Richard Serraria, artista do Rio Grande do Sul, que apresentou um som de alta qualidade e bastante diferente do que veicula na mídia em geral. “No repertório, canções próprias e versões de Tom Jobim e Vinícius, Baden Powell e Vinícius, declamações de poesias de João Cabral de Melo Neto, Carlos Drummond de Andrade e Paulo Leminski”. (Trecho do profile do artista no MySpace).

Logo depois, foi a vez de Sonekka, que apresenta também um som muito bacana. As letras são bem escritas e a voz e não sei se é a voz ou o estilo de cantar do artista, mas me lembra o Cazuza. “A mistura é uma marca de Sonekka. As doze músicas do CD não respeitam um único estilo. Vão do rock, do pop e do blues a ritmos brasileiros, num equilíbrio entre que o próprio título do disco anuncia: Agridoce.” (Trecho do profile do artista no MySpace).

O que há de mais legal em ambos os artistas é a ligação direta com o Software Livre, algo que poderíamos chamar de “Música Livre”. Ambos são independentes, e disponibilizam as músicas gratuitamente em seus sites. Podem baixar a vontade, isso não é pirataria, apenas liberdade. As canções são licenciadas pela licença Creative Commons.

Depois dos dois shows, teve uma apresentação muito interessante e divertida de teatro de bonecos, o tradicional mamulengo do nordeste, mas com um toque de tecnologia: os tambores e demais instrumentos e artistas foram trocados por um DJ. Adaptação interessante para se apresentar em um evento de tecnologia.

Enfim… Depois de toda essa maratona, fomos dormir. No domingo nos restava arrumar as malas e nos despedir de São Paulo. A experiência toda na Campus-Party foi extremamente interessante, como contamos em todas as postagens. Agora já podemos começar a nos preparar para o próximo!

Deixe uma resposta