seo agency

Poema Memória

with Nenhum comentário

Com aquele que olha o abismo
e não voa,
que sem tristeza chora.
Com o náufrago que não desiste do naufrágio
com os passos afogados na areia.

Com a poesia amorosa, raivosa
uma estrada caminha em si
e não volta do abismo
exceto o poema
que voa anônimo do precipício.

* Jurandir Mamede de Santana, em “Cosmo da Águas”, Maceió 1985.

Deixe uma resposta