América Latina: Compartilhar e dialogar através das Culturas

with Nenhum comentário


Nicolas e Sebastian

ESPETÁCULO DE FANTOCHES DO VENTO MOBILIZA PUBLICO RECORDE EM UMA SEMANA EM EUNÁPOLIS

Não deu no rádio nem na televisão, mas de boca a boca a comunidade do bairro dr. Gusmão ficou sabendo e viu a movimentação do público em torno das apresentações da Companhia de Teatro de Fantoches “Títeres Del Zonda” ou Fantoches do Vento, em tradução livre para o português. Sebastian e Nicollas são argentinos de Buenos Aires e há muitos anos Fantocheros, tendo aprendido o ofício com mestres de seu País.
São quase dois anos vijando pela América do Sul, quando, através da Venezuela adentraram em Brasil por Roraima, depois Amazonas e em seguida no Nordeste brasileiro.
O contato com o Viola de Bolso foi via internet em abril desse ano, num diálogo constante que resultou em programa de apresentação, de troca de experiencias e proposta de projetos comuns, ao longo de uma semana em Eunápolis.
Foram onze apresentações ao todo, no espaço Cultural do Viola de Bolso, mobilizando 10 Escolas – nove públicas e 02 particulares -, além de uma apresentação aberta ao público eunapolitano.
Das 11 apresentações, somente tres foram cobrados ingressos, como forma de ajuda para a Companhia Fantoches do vento seguir viagem.
O público mobilizado somou 830 pessoas, em sua imensa maioria de meninas e meninos das Escolas participantes. Na programação foi contemplada a participação de alunos da APAE e do CAPS e dos jovens que estudam no próprio Ponto de Cultura do Viola de Bolso.
Nessa trajetória, Fantoches do Vento visitou a comunidade rural do Ponto do Maneca e lá apresentou espetáculo, improvisando um palco para uma platéia de campesinos atentos aos movimentos dos bonecos.
Os protagonistas de Fantoches do Vento ministrou palestra no Campus da UNEB em Eunápolis e fez bate papo com alunos da Oficina de Artes Visuais do Ponto de Cultura e da Escola Anísio Teixeira, sobre a produção de seus Fantoches e sobre a realidade dos países que visitaram.
Para o Viola de Bolso Arte e Memória Cultural, essa é a forma prática de intercambiar experiencias na América Latina e ampliar o acesso de todos à cultura e ao conhecimento.
Fois justamente essa linha de pensanmento que uniu Titeres del Zonda, da Argentina, ao Viola de Bolso, em Eunápolis, no interior do Brasil.

Deixe uma resposta