Quem há de negar o futuro ao rio?

with Nenhum comentário

(artesanato do vale do Jequitinhonha)

Este é o rio
Ao primeiro olhar do viajante, deduz-se que o rio Jequitinhonha não é mais o mesmo. Quem faz o caminho tortuoso do rio e se depara com os bancos de areia e se depara com a nudez do seu leito ou se assusta com as suas aguas represadas por barragens, como a do Salto Grande, na divisa com a Bahia, se desespera.
O rio Jequi tantas vezes cantado e recitado pelos seus filhos ainda tem esperança.
Mesmo porque nunca – os filhos – os homens e mulheres do Jequi se deixaram abater pela face nefasta do progresso e nem pelo descaso dos seus políticos.
Nas feiras livres dsa cidades do Vele do Jequitinhonha ou nas feiras e festivais de artes é que percebemos o rio vivo e a resistência do seu povo.
cada artesanato, cada música, cada trova da viola e cada batuque de tambor expressa a riqueza do vale.
Foi esta resistência que deu folego e perpetuou as raizes da memória e as linhas da história que hoje marca as inumeras comunidades do Vale, em suas identidades e culturas tão diversas e seu encantamento, que somente quem chega perto vê e sente.
Por isso, não se iluda. O rio está vivo.
Desde a sua nascente até a sua foz.
E ele fala por si e proteje o seu povo, na medida em que este povo se levanta em seu nome e em nome do seu futuro.

Deixe uma resposta