BORUM KRENAK

with Nenhum comentário

Reparação do governo alemão em memória de Borum Kuêk –

Quando andou nestas terras entre os anos de 1815 a 1817, vindo pelo o Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo e Bahia, o príncipe Maximiliano Wied Newied vivenciou e registrou em livro as suas anotações, gravuras e mapas que fez dessa vasta região. Foi o autor de Viagem ao Brasil, publicado por volta de 1820 com detalhadas descrições sobre tudo o que pôde observar.

Chegou ao Brasil, em 1815 com o pseudônimo de Max von Braunsberg. Por dois anos, pesquisou o litoral e regiões do interior do Rio de Janeiro, Espírito Santo e do sul da Bahia, chegando a Salvador em suas viagens de pesquisa. Reuniu, entre outros objetos etnológicos, vocabulários e utensílios de tribos indígenas (como a dos Botocudos), plantas e animais.

Foi neste período que o príncipe conheceu Borum e o convenceu a ir com ele conhecer a Europa. De acordo com a história contada pelos índios Krenak, Borum Kuêk nasceu em 1804. Em 1815, o príncipe Maximiliano chegou ao Rio de Janeiro. Dois anos depois, ele percorreu os estados do Espírito Santo e Bahia e, em seguida, se instalou em Minas Gerais. O príncipe conheceu o índio durante uma visita ao Vale do Mucuri e às terras do Rio Grande do Belmonte, o Rio do Jequitinhonha. Em 1818, Borum Kuêk e o membro da realeza alemã viajaram para a Alemanha.

Neste fim de semana, o cônsul adjunto da Alemanha no Brasil, Macos Hass, entregou ao prefeito de Jequitinhonha, Roberto Botelho, uma urna coberta pela bandeira brasileira com os restos mortais de Borum Kuêk.

Uma cerimônia na cidade de Jequitinhonha, na Região do Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais, marcou a entrega dos restos mortais de Borum Kuek,quase 200 anos depois.  http://g1.globo.com/minas-gerais/noticia/2011/05/aldeia-em-mg-recebe-restos-mortais-de-indio-que-morreu-na-alemanha.html

A relíquia foi repassada aos indígenas, que vão levá-la para a aldeia Krenak, em Resplendor, no Vale do Rio Doce. A comunidade vai realizar um ritual fúnebre, de acordo com as tradições.

Fontes: WikipédiA e Globo Minas.

Deixe uma resposta