Gabriel Garcia Marquez

with Nenhum comentário

 

 

 

 

DSC00549

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Memória e solidão

A solidão tinha cem anos para Gabriel Garcia Marquez, o Gabo.

 

Muitos séculos de opressão e domínio colonial fazia da América Latina o território solitário da esperança, na América. Acima do equador o capitalismo condenava o futuro ao nada. O colombiano nascido em Aracataca sabia disso.

 

A literatura de Gabriel Garcia Marquez encantava o mundo e mostrava uma América Latina entre o sonho e o cotidiano dos seus personagens, entre a mais cruel das realidades ao realismo fantástico. Os espelhos se estilhaçam, as florestas silenciam, os rios correm mais lentos e as estrelas se assombram com a noticia da morte de Gabo. O seu coração parou de bater mas os seus livros pululam nas estantes, despertando os outros livros, seus autores, poetas e ativistas culturais no continente.

 

Nosso pesar pela morte do construtor de palavras e de histórias.

 

Dizem que ele padecia da perda de memória. Ele, o mensageiro de tantas memórias, a estimular o mundo e aos jovens em especial a reconhecer que a memória é nosso maior patrimônio.

 

Deixe uma resposta