Rafique lança EP em Valença – Bahia

with Nenhum comentário

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O EP de Rafique Nasser em Valença

O Viola de Bolso está acompanhando a trajetória musical de Rafique Nasser, ele que vai apresentar o seu trabalho acompanhado de vários músicos do sul da Bahia, dia 14 de outubro°17, um sábado, em Valença Bahia acontece o lançamento sonoro do EP de Rafique Nasser, jovem músico daquela cidade.

O evento é um momento construído coletivamente, como a sua música que reúne tantos amigos, parceiros, sentimentos, alegria e sonhos numa reunião de belas canções tecidas e tocadas com parceiros como Erahsto Felício, Danilo Ornelas e Ayam Ubrais, além de outros.

No trabalho de Rafique o que havia de busca e de experimentações musicais alcançou nova corporeidade e substância musical, indo além da experimentação, tornando uma obra completa de se ouvir, ganhando os ouvidos e os espíritos dos músicos participantes, dos amantes da boa música e agora, com o lançamento “oficial” dia 14 de outubro, deve chegar aos caçadores, garimpeiros dos novos talentoso, jovens criadores musicais de hoje, artistas e compositores tão raros nesse deserto árido brasileiro da produção musical.

“Essa terra aqui quem plantou fomos nós e quem regou fomos nós” e “nossos filhos aqui quem criou foi o chão”, bem diz Rafique em sua canção “Nessa terra”, ou “Arado”, de Rafique e Ayam Ubrais, que fala da necessidade de se capinar o terreiro tomado por(ervas) daninhas.

Destaque especial vai para “Manifesta”, de Rafique com Erahsto Felício, belo poema de sentimentos que não cabe em alma, mas coube em música e transpassa a alma, nas suas horas a fugir, canta Rafique. Aliás, aqui atrasado, registro a nuance rouca musical da voz de Rafique, bonita e jovial como ele.

Ismera Rock do “Canoa Sonora” foi quem  trabalhou bonito na gravação e na mixagem, além de sua guitarra de roqueiro.

E por fim, gostaria de falar da canção “Na Valença”, que criei afeição de cara, assim como criei da cidade de Valença. A canção me parece uma bela homenagem pra cidade em que um jovem poeta presenteia aos seus moradores um olhar particular, porém breve, como o cidadão comum que acorda e dorme todos os dias, enquanto a cidade – como quem não quer nada -, desperta. Muito massa!

Parabéns Rafique Nasser e todos os participantes dessa construção musical duradoura.

Pra quem está em Valença, é só assistir ao lançamento. Pra quem não está na cidade ouça aqui as músicas.

Deixe uma resposta