Cultura, Folia e Encontro

with Nenhum comentário
marquinhos em reunião de articulação do encontro em Itapebi

Pra fortalecer a cultura popular

Correndo o trechos entre Itapebi, até Guaratinga, duas partes diferentes de uma mesma região, marcos Aurélio Farias, marquinhos, como é mais conhecido, dialogou com os representantes de diferentes grupos de Folias de Reis, juntamente com Sumário Santana, com os auxílios nos contatos feitos por Flávia Solidade.

Em Itagimirim, ao reunir com os grupo de mae Ceicinha, ao som da viola do mestre violeiro Mario, ao final do bate papo sobre o encontro, foram muitas incelenças, emboladas e até samba de couro!

O mestre Mário, de mais de 80 anos, cego em virtude de uma AVC que lhe afetou unicamente a visão, ainda canta e toca a sua viola sentado, pelo anos de labuta e cansaço da lida.

Em Itapebi, os articuladores do encontro foram recebidos por Maria Dajuda, filha do finado mestre José Machado, e o seu marido Bel Vaqueiro. Ela se alegrou com a notícia do evento e das imagens de seu pai, que lhes foram apresentadas em um DVD, mas depois de alguma horas de conversa, pensou, chorou, concidou a sua imrã mais nova para compartilhar as imagens e os sentimentos e concluiu que não irá ao evento das Folias em Eunápolis. A dor da lembrança não permite dizer sim à memória, mesmo sabendo que a querença do seu amado pai seria a perpetuação daquele fazer cultural, que tanto ela, como as outras filhas aprendeu e incentivou aos outros parentes a participar.

E finalizou: – após tantos meses de conforto no coração, essa dor da lembrança deve se aclamar por aqui. Ir pra Eunápolis{ao evento}, vai trazer a dor de volta. É, acho que não vamos não, concluiu.

marquinhos gravando o som do mestre

Marquinhos em Itabela foi ao encontro de Domingos de dona Júlia. Ele passa a semana toda na roça e somente aos sábado e domingo vem pra cidade, tem um celular que quase nem utiliza. Marquinjos deu sorte, falou com ele na sexta à noite e foi ao encontro sábado. Juntos, foram ao encontro de um rezador do grupo e lá foram longas conversas sobre os reiseiros e a missão. Marcado ficou entre todos, de participação no evento dia 09 de junho. Para a abertura do evento eles não podem ir.

Em Eunápolis, a experiencia dos articuladores do evento, ao reunir e explicar aos mestres e demais participantes das Folias foi marcante. Essa parte a gente conta depois…..

veja a programa aqui

Deixe uma resposta